24 julho 2017

23:51

Top 5 youtubers favoritas







 Hello, queridos Lemonetes. Enquanto discutimos a possibilidade de o blog um dia virar para a plataforma de video, gostaria de deixar a minha lista de cinco youtubers favoritas. E o porquê de o serem. Espero que o post vos agrade ;)



#05 - Claudia Sulewski

 

Das mais novas da lista. A Claudia chamou-me muito a atenção não só pela sua beleza, liek não dá para não dizer que a miúda é feia, mas também pela sua atitude super positiva e em geral a sua personalidade alegre e calma. Sem escândalos. com bons vídeos em que, quando não está ocupada com a sua vida fora do youtube, dá-se à liberdade artística. Vejam os dois vídeos, um do seu canal principal e outro do seu canal de vlogs. 

#04 - Catcreature/ Annabelle G.

 


O segundo video que deixei aqui foi o primeiro dela que vi. Talvez por ser também uma estudante de arte, a Anne chamou-me à atenção. A maneira como edita os seus vídeos é inspirador, estaticamente satisfatório. Pessoalmente sinto-me criativamente apta e com as energias levantadas depois de assistir aos vídeos dela. Espero que dêem também uma olhada ;)

#03 - Meghan Rienks

 

De todas as youtubers desta lista, a Meghan seria a minha escolha para melhor amiga. A energia dela é tão parecida com a minha. É barulhenta, louca, nerd, derp e cozinha enquanto está bêbada ou triste. E isso é fantástico. A capacidade de nos fazer sentir como se não a tivessemos projectada em telas, mas sim à nossa frente. Além de que ela é real, não tem medo de falar de alguns assuntos tabus e usar a sua experiência para explicar situações e abrir o seu coração inteiro a todos nós.

#02 - Claire Marshall

 

Provavelmente a que mais me inspira. A Claire tem o dom da sensoridade. Atrai-nos de forma não só visual como sonora quando cria os seus vídeos. Calma, segura e ao mesmo tempo cheia de pequenos problemas que todos nós temos. É alguém que devem seguir quer queiram sentir-se inspirados ou ver arte.

#02 - Violette

 

Acho que não falo só por mim quando digo que vivemos numa sociedade que acolhe a ideia de consumismo em massa. As youtubers de hoje em dia - especialmente americanas - são o pináculo do assunto. É primer, mas três diferentes num espaço de dois vídeos postados na mesma semana. Os favoritos mudam de video para video e a realisticamente ninguém tem dinheiro ou tempo para comprar todos os milhões de produtos que elas nos oferecem. Sendo uma makeup artist, a Violette usa bem os seus produtos e normalmente os seus vídeos usam não mais que cinco produtos, e por norma apenas três. Simples e directa ao ponto, os tutoriais de maquilhagem dela são perfeitos pela forma única e artistica que ela usa para nos apresentar looks, que são realisticamente mais alcançáveis para alguém que tem uma rotina do dia-a-dia complicada. 




24 junho 2017

23:21

Milagre / Extraordinário, de R. J. Palacio


August é um menino de 10 anos pouco normal. Nasceu com uma deficiência genética que deformou o seu rosto e que o obrigou a ser submetido a muitas cirurgias ao longo da infância. Devido a todas as complicações que as cirurgias e os seus problemas comprometiam, Auggie nunca foi à escola. Até agora. 

Para um aluno normal, o ensino básico é uma missão difícil de cumprir. Para August, essa missão é uma verdadeira prova de vida. Mesmo habituado aos olhares das pessoas, ao medo e à aversão, Auggie tem agora de enfrentar a crueldade dos seus colegas - e a amizade. Nunca sozinho, August vai viver verdadeiras aventuras, encarar a sociedade e libertar-se das suas amarras. 

Narrado por diversos pontos de vista - de Auggie, da família e dos amigos -, este livro retrata a vida de uma criança que tem tudo de normal, menos o seu rosto, e que vai enfrentando a vida com uma coragem avassaladora. 


Auggie é o personagem mais corajoso que eu já conheci. Desde as primeiras páginas que eu tenho a vontade imensa de abraçá-lo e dizer-lhe o quão especial e incrível ele é. Auggie é possivelmente o personagem mais corajoso de toda a literatura. E não só é corajoso, como é gentil e engraçado e um verdadeiro guerreiro na batalha que é a vida. 

August tem noção do que as pessoas pensam e vêm quando olham para ele. É uma criança muito auto consciente. Mas é também um jovem muito descontraído, com um grande bom humor e um coração do tamanho do mundo. Apesar do bullying e das provocações, ele mantém-se sempre calmo e passa pelas situações como se fossem uma lição. Aprende muito depressa, tem uma humildade muito singular e uma inteligência enorme. 

Ele tem tanto amor para dar, e nós aqui, deste lado, a querer dar-lhe a ele amor. August não precisa de guarda costas, nem de proteção, nem de supervisão. Ele defende-se a si próprio de uma forma que outros miúdos não conseguem. Ele ri-se de si próprio. Não precisa de fazer pouco dos outros para ser engraçado. Perdoa facilmente. É extremamente tolerante. É confiante. É uma alma tão especial que é impossível não adorá-lo. 


Quando lemos sob o ponto de vista dele, compreendemos o seu sofrimento de uma forma muito vívida e íntima. Entramos na sua pele e somos um rapazinho de 10 anos com um rosto diferente do vulgar que está na escola pela primeira vez.

Quando lemos sob o ponto de vista da família, percebemos o quanto ele é amado e estimado. Mesmo nas piores alturas, mesmo exigindo uma atenção muito especial, mesmo perante o constrangimento, ele é uma criança profundamente amada.

Quando lemos sob o ponto de vista dos amigos e conhecidos, então, sentimos o verdadeiro efeito que ele tem sobre as pessoas. Não o efeito visual. Mas o efeito que ele tem sobre o coração das pessoas. O efeito que leva as pessoas a querer protegê-lo e brincar com ele. Como Miranda, uma amiga da irmã, ou Justin, o namorado da mesma. Essas pessoas vêm além da carapaça de Auggie e encontram a criança incrível que ele é. 



Sim, eu chorei. Chorei como não chorava desde A Culpa é das Estrelas. Mas desta vez, chorei quase sempre de alegria. Este livro é um bálsamo para a nossa alma. Aprendi tanto com ele, aprendi tanto com Auggie, que acredito que jamais esquecerei este livro. 

Palacio, os meus grandiosos parabéns. E a todas as crianças e pessoas como Auggie, os meus ainda maiores parabéns por serem tão corajosos, tão especiais, tão incríveis.

Podes adquirir este livro clicando aqui.


_

09 junho 2017

11:44

Últimas Leituras #3


design. Canva

Hello, hello ~ Já não faço nenhuma mega publicação literária há algum tempo, por isso reuni alguns dos últimos livros que li recentemente e aqui vai mais um post da série das últimas leituras. Desta vez, contudo, vou incluir aqui uma fanfic que vale muito a pena ler, e até mesmo uma creepypasta. Wow. 'Bora?


• A Cada Dia - David Levithan

Eu estava de olho neste livro há tanto tempo, e mesmo depois de o comprar ainda levei alguns meses a pegar nele. Mas depois de lhe pegar, li-o em três dias e fiquei a chorar por mais. Todo o conceito - de um ser metafísico que, todos os dias, acorda num corpo diferente e tem de viver a vida dessa pessoa - é bastante revolucionário e interessante. Ele/a não sabe o que é, nem sabe se há mais como ele/a. Apenas sabe que todos os dias será alguém diferente e já desistiu de esperar outra coisa. Entretanto, alguns mistérios são atirados para o esquema e tudo fica ainda mais interessante. Eu realmente gostei, e depois deste livro tornei-me fã de Levithan.

Sobre Garotos e Monstros  - EndlessDelirium

Esta é uma fanfic de EXO. Aliás,  já está publicada sobre o formato de livro, graças ao projeto Book of Fanfics. Mas eu li-a online, na página da autora. E é definitivamente uma das melhores fanfics que eu já li nos meus quase dez anos de leitura de fanfics. É sobre dois amigos de infância: Sehun e Jongin. Sehun desapareceu quando tinham 12 anos, deixando um grande vazio na vida de Jongin - que, durante seis anos, não desistiu de procurar o amigo. E depois desses seis anos, Sehun é encontrado - mas, para Jongin, Sehun já não é Sehun, e começa uma jornada de cura e luta, em que Jongin tenta recuperar a sua amizade com ele. Inicialmente é triste, e a certa altura torna-se mais triste, mas gradualmente o gráfico começa a subir e as coisas vão melhorando. Mas vale a pena, porque a escrita é muito boa e a história é ótima. Também recomendo qualquer outra fanfic dessa autora - ela é excelente.


The Ones Who Walk Away From Omelas - Ursula K. Le Guin

É um conto relativamente pequeno, mas com uma mensagem e uma história bastante fortes. Li-lo graças ao MV "Spring Day", dos BTS, que foi inspirado nesse conto e eu quis compreender um pouco melhor. O conto é sobre uma cidadezinha utópica, Omelas, onde ninguém sofre e todos são felizes, mas que guarda um segredo obscuro que permite essa felicidade: numa cave escura, uma criança está presa na miséria. Todos os habitantes com idade suficiente sabem dessa criança, mas consideram-no um sacrifício necessário. Outros, vão-se embora. E esse a premissa do conto, sobre a cidade de Omelas.


• Will & Will - John Green e David Levithan

Finalmente, um livro não-hetero! Bem, talvez haja mais, mas o facto de dois escritores renomados se lançarem numa aventura não-hetero é admirável e destacável. É sobre dois jovens chamados Will Grayson e que, por toda uma sequencia de acontecimentos, se cruzam e conhecem. A partir daí, tornam-se amigos, e vão-se falando no meio do caos das suas vidas individuais - o namoro de um Will e o quase romance do outro. Fiquei um pouquinho desiludida porque, no final de contas, há uma relação hetero lá pelo meio - e eu esperava algo completamente LGBT -, mas o livro foi interessante à mesma. Bastante interessante. 

• Inferno - Dan Brown

Eu não diria, nem de longe, que é dos meus favoritos de Dan Brown. Ficou um pouco aquém das minhas expectativas, honestamente. Mas achei admirável que ele tenha saído um pouco da questão religiosa (embora ela esteja presente, e embora não seja o primeiro livro dele assim) e tenha apostado um pouco na questão científica (mais uma vez, não é o primeiro livro), investindo assim um pouco nas suas origens. Contudo, não é nenhuma obra prima, e o plot não é assim tão extraordinário - é como se tivesse pecado no plot de Anjos e Demónios e trocado a bomba de antimatéria por uma arma biológica. Não fiquei impressionada. Mas não é um mau livro.

Borrasca - TheDalekEmperor / C.K. Walker

A creepypasta do post - para alguns pode ser considerada fanfic, também. É absolutamente genial e está muito bem escrita e construída. Tem uma profundidade inesperada e alguns plot-twists muito loucos. Podem lê-la no Reddit ou em livro.




02 junho 2017

11:27

5 motivos porque eu odeio o verão

design. Canva


Eu odeio o verão.

Esta é uma das frases que, assim que é dita, vira cabeças e arregala olhos. Eu digo-a apenas cinco ou seis vezes ao longo dos meses frios, mas quando chega o calor eu digo-a, no mínimo, umas vinte vezes ao dia. E, invariavelmente, recebo sempre a mesma reação de quem me rodeia: sempre o mesmo choque e sempre a mesma descrença. 

A seguir vem a parte em que toda a gente me tenta convencer que os meus sentimentos para com o verão estão errados e que, não, o verão é a melhor estação, como assim tu não gostas do verão? E, tal como farei de seguida, eu normalmente procedo a explicar porquê. Porque é que odeio o verão. E quando digo 'odeio', não é no sentido de 'desgosto', mas sim no real sentido de 'odeio verdadeira e profundamente, das entranhas da minha alma'. 

Vamos começar por dizer que sim, eu adoro as férias - mas são realmente a única parte boa do verão. Tudo o resto, que não esteja relacionado com isso, eu dispenso, muito obrigada. Portanto, vamos lá: 5 motivos porque eu abomino o verão.


1. Sol

É a parte que a maioria das pessoas adora no verão, e é definitivamente a parte que eu mais odeio. Porque para a maioria das pessoas 'sol = bom tempo', mas para mim 'sol = dores de cabeça'. Eu fico físicamente mal disposta e com dores de cabeça se estiver mais do que cinco minutos ao sol - e não há boné ou chapéu que me tornem o sofrimento menos atroz. Por isso, odeio sol de verão.


2. Calor

Outra coisa que também me deixa mal disposta é o calor. E não estou a falar do calor da maioria do país, mas sim dos 40º de média da minha terra, em que até andar descalço é impossível porque o chão escalda. Com o calor vem o transpirar como uma torneira e a roupa que fica toda colada - e o facto de não existir no mundo roupa nenhuma que seja suportável.

3. Escaldões

A maioria das pessoas fica escaldada apenas quando vai à praia. Eu fico escaldada por sair à rua. Uma vez apanhei um escaldão durante uma aula de educação física, na escola. E outras vezes apanhei escaldões ao andar a passear na baixa da cidade ou, choquem-se, durante o cortejo da Queima das Fitas em Coimbra. E escaldões são desagradáveis.

4. Roupa Deselegante

A meu ver, a roupa de inverno é a mais confortável e elegante. Eu posso usar as minhas camisolas de malha com blusinhas, as minhas botas confortáveis e os meus cachecóis quentinhos, e ser feliz da vida. E se tiver frio, basta colocar mais uma camada de roupa e pronto, resolvido. A roupa de verão, contudo, não combina nada comigo - eu sou uma mulher de calças e sapatilhas, camisolas e cabelo solto, mas todos esses items são impossíveis durante o verão, e sou obrigada a ter de optar entre morrer de calor em calças ou andar desconfortável em calções. E, por mais camadas de roupa que eu tire, nunca fico bem.

5. Ter de socializar

Quem me conhece sabe que eu sou quase um lobo solitário e que é difícil tirar-me de casa. Mas se, no inverno, ainda me conseguem arrancar de casa umas três vezes por semana, quando chega o verão têm sorte se esse número de aplicar mensalmente. Por todas as razões acima, eu odeio sair de casa no verão. E pior: as pessoas recusam-se a tentar compreender que ir passear 'neste bom tempo' não me vai fazer minimamente feliz, porque vinte minutos depois de sair de casa vou estar cheia de dores de cabeça e mais desidratada que o deserto do Saara. Portanto, as pessoas praticamente obrigam-me a sair de casa, porque toda a gente é obrigada a sair no verão. E se não sair, as pessoas ficam chateadas comigo. 


Portanto, eu tenho todos os motivos e mais algum para detestar o verão - e ainda assim as pessoas tentam constantemente a convencer-me do contrário. Bem, fico feliz por terem nascido com aqueles % de genes mouros que vos permite apreciar o calor e o sol, mas, caso ainda não tenham reparado, eu tenho mais genes nórdicos e eu e o sol não combinamos muito. Por isso, apenas deixem-me definhar enquanto espero pelo inverno - nessa altura, vão ver-me feliz.


26 maio 2017

13:08

Últimos Doramas #1

design: canva

O título desta série de posts é "últimos doramas", mas na verdade este primeiro post será mais de "os doramas que vi até agora", porque ainda vi pouquinhos (ao contrário da Aléxia que, sem exagero, já deve ter visto uns 100). Mas os próximos posts da série serão legitimamente sobre os 'últimos', sim? Até porque eu planeio ver muitos mais doramas do que já vi até agora, porque doramas são vida. <3 Já agora, podem explorar um pouco a minha lista de doramas no meu MyDramaList.



• The Master's Sun

Primeiríssimo dorama que eu vi na minha modesta vida, e mudou-a por completo. Apaixonei-me por este dorama e pela ideia de ver doramas em geral. Não é genial, mas eu adorei-o do fundo do meu coração. É sobre uma moça que vê espíritos, depois de ter estado em coma, e que tem medo deles. E sobre um CEO milionário que é arrogante e frio. O que os liga é o facto de que, quando ela toca nele, os espíritos desaparecerem, então ela passa a... bem, a persegui-lo. Só que ele não acha muita piada a isso, então a coisa desenvolve-se daí. É engraçado e adorável em partes iguais, com alguns pequenos sustos e fantasmas feios pelo meio. Ainda hoje eu adoro tudo o que sejam doramas onde esteja a atriz principal - aliás, o meu dorama favorito de todos os tempos é com ela (ámen Seul Gi).

• Surplus Princess

Segundo dorama que eu vi e, não é tão bom quanto o anterior, mas é ótimo para quem quer ver algo leve e engraçado. É uma espécie de adaptação (muito) cómica d'A Pequena Sereia, só que em vez de um príncipe, temos um chef de televisão; e em vez de ela ir para o palácio dele, vai trabalhar com ele. Ah, também existe wifi debaixo de água, só para que conste. Em cima disso tudo, ainda temos uma casa cheia de gente (muito doida) e a minha segunda atriz favorita (que também entra em quase todos os doramas de que eu gosto...).


• Flower Boy Next Door

Com a gloriosa Park Shin Hye (a Aléxia fez um post com as melhores personagens da Park Shin Hye, porque a Aléxia é apaixonada por essa atriz desde que eu a conheço como gente), este é daqueles doramas agridoces que também são cómicos. Temos uma revisora editorial que tem fobia social, um vizinho bonito que ela gosta de vigiar (cof cof stalker cof) e o irmão desse vizinho que a apanha com a mão na massa. E a história desenvolve-se a partir do momento em que  esse irmão (Henrique) apanha a moça e decide que quer fazer-lhe a vida negra.


• Marriage Not Dating

Se há dorama que se encaixa mesmo, mesmo bem na categoria de comédia romântica, é este. É sobre um mulherengo e a ex-namorada do amigo desse mulherengo; também é sobre a família dele, que exige que ele se case rapidamente. Então, junta-se ao útil ao (des)agradável e esses dois decidem fazer de conta que estão noivos para se libertarem das gentes chatas. O problema é que eles, bem... não se suportam. É cliché, mas é realmente engraçado, garanto.


• Ex Girlfriend Club

Outra comédia romântica, mas esta é um pouco mais desastrosa. Isto, porque o senhor escreveu um filme inspirado em todas as suas ex-namoradas, e a realizadora vai ser uma delas. Mas rapidamente as outras todas descobrem e vêm tirar satisfações. Depois, decidem que querem todas ter uma parte na realização do filme, e vira o caos. Tem algum drama expectável, mas, fora isso, é cómico.


• The Time We Were Not in Love

Não é dos meus favoritos, mas é fofinho. A típica história dos melhores amigos que se incomodam com os namorados um do outro, até perceberem que na verdade estão apaixonados (e que prometerem jamais se apaixonarem um pelo outro). Tem um desenvolvimento interessante.


• It's Okay, That's Love

O meu dorama favorito de todos os tempos e duvido que alguma vez venha a ser destronado. É com a atriz de Master's Sun e, um ano depois de o ter visto, a banda sonora ainda me faz quase lacrimejar. Também tem o Do dos EXO, o que é importante referir. É sobre um psiquiatra e um escritor, e uma série de pessoas com várias tipos de doenças psiquiátricas, e sobre a amizade do escritor com um jovem descalço. Mais ou menos a meio tem um plot twist descomunal - do tipo que nos faz chorar as pedras da calçada. Todo o desenvolvimento é absurdamente interessante e ele agarrou-me mesmo muito. Além disso, tem a melhor banda sonora que já ouvi num dorama desde sempre e, como eu já disse, ainda hoje ouvir as músicas me faz emocional.

• EXO Next Door

Um dorama super pequenino, com os membros dos EXO. Os EXO mudam-se para uma cava nos subúrbios durante os tempos e a sua vizinha é uma mega fã, mas também é mega tímida. Entretanto, a mãe dela é a dona da casa para onde eles se mudaram, e obriga-a a ser a empregada de limpeza deles. O problema é que Chanyeol é meticuloso e arrogante (tudo a ver com o Chanyeol verdadeiro, #sóquenão), e a maioria dos outros membros são apenas desarrumados e adoram provocá-la. É sobre um Do fofinho e meigo que se torna amigo dela, um Sehun um tanto idiota que se torna amigo do irmão dela, e sobre uma grande confusão no meio disso tudo. Tem poucos episódios e cada episódio só tem 15 minutos, por isso vê-se bem. É ótimo para quem quer conhecer o EXO, apesar de alguns membros (como o Chanyeol) serem diferentes da realidade. Mas dá para ir aprendendo os nomes. Ps: é com os EXO 9, e não com os EXO 12, infelizmente. *cries*


• She Was Pretty 

O dorama que me deu a conhecer aquele que é, agora, o meu ator favorito. E, também, o dorama que me deu a conhecer o cabelo mais bonito do mundo, que pertence a esse dito ator (antes de saber o nome dele, eu e a minha irmã chamavamos-lhe "o senhor do cabelo bonito"). É sobre dois amigos de infância e que não se vêm desde pequenos e se reencontram, só que com um grande senão: em pequenos, ela era bonita e ele era 'feio'. Agora, os papeis inverteram-se e ele tornou-se num moço bonito e de sucesso, e ela uma moça 'feia' (#sóquenãoné) e desamparada. Quando se reencontram, ele não a reconhece e ela decide manter a sua identidade em segredo. Entretanto, ele torna-se o patrão dela, e ela passa a ter muito trabalho em evitar que ele descubra quem ela é. Ah, também tem o Siwon dos Super Junior, que é excêntrico e adorável, e a minha personagem favorita.


estas classificações são completa e absolutamente pessoais, refletindo a minha opinião e não as classificações oficiais.


19 maio 2017

10:37

Um dia eu gostava


Um dia, gostava que um desconhecido se aproximasse de mim e me dissesse "Está tudo bem, vai tudo ficar bem", e depois fosse embora. Ficaria para sempre na minha memória como aquele desconhecido que melhorou o meu dia. Como aquele senhor que me contou piadas e trocadilhos na paragem de autocarro, sem nunca me perguntar o nome ou dizer o dele, e depois entrou no seu autocarro e foi embora. Ou como aquela senhora que meteu conversa comigo durante a viagem, sobre a faculdade e as coisas, e me falou de como foi no seu tempo, mas também nunca trocámos os nomes e ela saiu na paragem antes da minha.

Um dia gostava que um conhecido me perguntasse o nome, e depois passaríamos a conhecer-nos a sério. Talvez ficássemos amigos, ou talvez não, e nem precisávamos de voltar a falar, mas eu ficava a conhecer um pouco melhor alguém, e alguém passava a conhecer-me um pouco melhor a mim.

Um dia eu gostava de encontrar uma mensagem entre os livros da biblioteca. Gostava de deixar outra em resposta. E ter uma conversa inteira com bilhetinhos rasgados e rabiscados, naquela prateleira esquecida da estante. E nunca iria conhecer a outra pessoa, ia ser como um pen pall, mas mais divertido.

Um dia eu gostava que os meus amigos me arrancassem de casa e me arrastassem para o comboio, e me levassem à praia de madrugada. Que me atirassem à água, me atirassem areia, me tirassem daquelas fotos desprevenidas e bonitas em que só quem se está a divertir consegue ficar bem. Depois podíamos deambular pela costa, apanhando pedrinhas e conchinhas, inventado histórias e fazendo planos para o futuro. Daqui a cinco anos vamos aqui voltar. Daqui a uma semana vamos ao rio. Daqui a duas horas vamos comer um gelado.

Um dia gostava de me apaixonar a sério, por alguém a sério, e ter um romance a sério. Não precisa de ser perfeito, apenas a sério. Não precisa de ser saído de um livro de Nicholas Sparks, apenas ser a sério. Ele não tem de ser maravilhoso, nem incrível, nem saído dos meus sonhos, apenas tem de ser a sério. Sem ciúmes, sem regras, sem terceiras partes nem silêncios. Apenas ser a sério.

Um dia gostava de ter coragem de ir ter com algum desconhecido e começar a conversar. Conhecer muitos desconhecidos, até deixarem de ser desconhecidos, absorver um pouquinho das suas vidas na minha. Tentar preencher um pouco o meu vazio com aquilo que transborda das outras vidas. Ter um novo contacto no telemóvel, que não vai ficar só guardado e vai ser usado.

Um dia gostava de conseguir ser eu. Não precisar de ser arrastada para a praia, nem reunir coragem para conversar, nem sonhar com o desconhecido e com o que devia ser conhecido. Não ter de levantar-me sozinha de todas as vezes que caio e não ter de seu eu a sacudir o pó da minha roupa. Poder beber e beber sem medo de não chegar a casa, e chorar e chorar sem medo de sair de casa.

Um dia gostava de poder eliminar toda esta solidão, toda esta podridão na minha alma, que vai e vem e volta e retorna, mas nunca fica e nunca desaparece, e me faz deambular pela vida como se não fosse minha. Ganhar poder sobre mim própria, preencher este vazio e iluminar esta escuridão.

Um dia gostava, eu um dia talvez possa, completar todos estes sonhos e toda esta vida, e apagar esta dor da minha alma.


Disclaimer

Todos os conteúdos aqui apresentados têm os direitos reservados aos respetivos autores. À partida, todos os textos neste blog são da autoria de Rafaela Silva, Aléxia Oliveira e Mónica Simão, exceto em referência contrária, e não devem ser reproduzidos, adaptados ou copiados de forma alguma sem consentimento prévio. Todas as fotografias com marca de água de Rafaela Silva ou RS Fotografia e Design têm os direitos exclusivos de Rafaela Silva. As fotografias com a marca d'água de Lemao Doce ou Limão Doce pertencem exclusivamente ao blog. E todas as imagens não assinaladas pertencem aos respetivos autores e provavelmente virão de sites dedicados a imagens de stock (ver: 'Recursos')
Com tecnologia do Blogger.

Seguidores

Google+ Followers

Instagram